quarta-feira, 15 de novembro de 2017




Da alma só sei o que sabe o corpo:
 onde a esperança e a graça
 aspiram ao ardor
 da chama é a morada do homem. 
 Vê como ardem as maçãs
 na frágil luz de Inverno. 
 Uma casa devia ser 
 assim: brilhar ao crepúsculo
 sem usura nem vileza
 com as maçãs por companhia. 
 Assim: limpa, madura. 






 Eugénio de Andrade

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

uma saudade sem recomeços




Tudo entre nós foi dito 
Estamos cansados e tristes
 neste Outono de folhas pairando
 e caindo.
 Entre nós as palavras colocam um mundo 
de silêncio e vazio estéril. 
Os próprios sonhos se encheram de neblinas 
e o tempo os amarelece. 
Outono de cismo, de folhas secas
 e bancos abandonados de cimento frio 
Onde não cantam aves
 e o vento desce em brandos rodopios. 
Apenas uma vaga angústia presente,
 uma saudade sem recomeços,
 a lembrança, tépida a gelar como
 veios de mármore. 
Tudo entre nós foi dito,
 olhamos o apodrecer do parque, 
o vento, o repicar leve das folhas
 e sem ressentimentos dizemos adeus.







 Rui Knopfli
 (Foto de Natalia Drepina)