quinta-feira, 12 de abril de 2018

não tenho mais poemas




põe um pé sobre a minha mão legítima que ela nunca mais escreva, 
 põe o outro pé sobre a parte mais alerta da cabeça e faz com que ela esqueça, 
 os dois pés sobre todo o meu corpo como se estivesse morto






 Herberto Helder
 (Foto de Cristina Coral)

terça-feira, 10 de abril de 2018

mãos de pirotécnico




Escolho as palavras 
com mãos de pirotécnico 
Manejo com tacto
 a nitroglicerina de cada sílaba. 
Por causa de palavras mal usadas 
atravessa meu coração
 um alfabeto de cicatrizes 






Ana Pérez Cañamares
(Trad. A.M)

quinta-feira, 5 de abril de 2018

às vezes




por vezes a tua cara torna-se nítida e insuportável. outras vezes, esbate-se e com o esbatimento vem-me a resignação de te ter perdido. 
Às vezes esqueço-te. Ou ficas escondido numa casa, num quadro, numa árvore, de onde ressurgirás.
 Um dia olharei o quadro, a casa, a árvore, e lembrar-me-ei de ti. 
Mas cada vez haverá menos sítios onde te esconderes. 







 Rui Nunes
 (Foto de Katia Chausheva